• Grupo ConJor

Prêmio RUBRA de Rádio Universitário - Entrevista com Nelia Del Bianco

No dia 16 de agosto acabam as inscrições para o Prêmio RUBRA de Rádio Universitário. Com a primeira edição temática, o prêmio aceita inscrições de produtores vinculados a projetos ou rádios (hertzianas ou webradios) de faculdades e universidades brasileiras.

Para entender a proposta do prêmio, conversamos com a professora dos PPGs em Comunicação da UnB e da UFG e uma das organizadoras do Prêmio, Nelia Del Bianco.


ConJor: Qual a importância do Prêmio Rubra para rádios universitárias?

Nelia Del Bianco: É uma excelente oportunidade para mostrar ao país a produção jornalística e informativa das rádios universitárias sobre a Covid-19 que tem se dedicado à tarefa de oferecer à sociedade conteúdo bem apurado e relevante. Tarefa essencial num momento de exacerbação da desinformação que é tão grave quando a doença provocada pelo coronavírus. 

Qual o espaço que as rádios universitárias ocupam hoje no cenário midiático do país?


Temos mais de 100 emissoras geridas por universidades,  a maioria AM e FM e 29% delas  exclusivamente transmitidas pela web. Uma parte delas está no ar há mais de 30 anos e se diferenciam no ecossistema midiático por oferecer uma programação cultural e informativa independente, dissociada de interesses econômicos ou políticos. São emissoras que tendem à experimentação na produção, seja do ponto de vista da linguagem e narrativas, constituindo-se numa alternativa de escuta num ambiente domesticado pelo padrão comercial. 

Que diferencial essas emissoras e projetos podem apresentar sobre a pandemia? 

Primeiro é colocar em evidencia pesquisadores e estudos realizados nas universidades que colaboram para o conhecimento sobre a covid-19.  Segundo aproximar cientistas locais da população sempre ávida por obter informações de qualidade fazendo contraponto a desinformação. E, por fim, a criatividade como diferencial na formatação de programas. 



As modalidades do prêmio favorecem a essa exposição de criatividade?

Sem dúvida, na primeira edição do prêmio podem ser submetidas à avaliação reportagens especiais (séries de reportagens, grandes reportagens, reportagens especiais, dossiês e especiais multimídia), documentário, podcast, radiodrama, ou seja, produtos que se apropriem de narrativas ficcionais,  campanhas de conscientização e/ou utilidade pública e séries ou campanhas de divulgação científica. É um conjunto de categorias que pode dar conta de uma parte significativa da produção realizada desde o início da pandemia. 


A expectativa é grande.

Com certeza! A comissão organizadora tem a expectativa de receber um bom volume de trabalhos expressivos. 

Para saber mais sobre o Prêmio RUBRA de Rádio Universitário, acesse esse link. E fique de olho no prazo: 16 de agosto de 2020!

12 visualizações